O PseudoAutor

Minha foto

Baiano nascido numa tarde de julho de 1991. Agnóstico e hipster, estudante de História, apaixonado por simbologias, mitologias e animais pré-históricos.

Escreve amadoramente desde 2007; após alguns anos e quase trinta livros rascunhados, Alec publicou uma coletânea de histórias curtas (Zarak, o Monstrinho, Multifoco, 2011), um conto numa antologia sobre répteis cuspidores de fogo (Dragões, Draco, 2013) e um romance autobiográfico fantástico (A Guerra dos Criativos, independente, 2013), além de algumas obras virtuais na Amazon.

Atualmente se divide em pesquisas para projetos literários e coordenação editorial de um selo independente.

Visitas

Poema: Versos #6 (Alec Silva)


Mas, não notaste, pois estavas ocupada,
As grandes mudanças que fiz foram por ti,
Mas, não notaste, pois estavas ocupada,
Desviando os teus olhos de mim.

1 comentários:

emptyspaces11 disse...

Esquecemos do que está tão próximo. Esquecemos o que está tão presente!
Ver com os olhos não é ver, propriamente. Ver com a alma é mais intenso e melhor. Quando só enxergamos o outro com os olhos, não o enxergamos propriamente.

Estou gostando muito de fazer minhas leituras aqui...