O PseudoAutor

Minha foto

Baiano nascido numa tarde de julho de 1991. Agnóstico e hipster, estudante de História, apaixonado por simbologias, mitologias e animais pré-históricos.

Escreve amadoramente desde 2007; após alguns anos e quase trinta livros rascunhados, Alec publicou uma coletânea de histórias curtas (Zarak, o Monstrinho, Multifoco, 2011), um conto numa antologia sobre répteis cuspidores de fogo (Dragões, Draco, 2013) e um romance autobiográfico fantástico (A Guerra dos Criativos, independente, 2013), além de algumas obras virtuais na Amazon.

Atualmente se divide em pesquisas para projetos literários e coordenação editorial de um selo independente.

Visitas

7 dicas para divulgar você e seu livro


Alguns amigos escritores, sobretudo os iniciantes, perguntam-me sobre meios de divulgar suas obras e fazer um caminho em meio ao mercado editorial. Não sou, contudo, uma pessoa indicada para isso, afinal tenho minhas tretas. Todavia, resolvi postar algumas coisas que fiz/estou fazendo e que estão dando resultados. Talvez sirvam para quem precisa.

  1. Pare o que estiver fazendo! Reveja o que tem feito, o que tem dado certo e o que não tem resultado em nada. Faça uma lista de atitudes tomadas até agora e quais benefícios já colheu para sua obra. Se é autor iniciante, é uma prioridade fazer isso.
  2. No mundo em que vivemos, uma rede de contatos é tudo. Se você não possuir uma equipe de amigos e colegas para apoiar em suas campanhas de divulgação, as chances de avançar são mínimas. Eu, por exemplo, possuo amigos em diversas áreas, desde capistas, ilustradores a blogueiros, os quais faço parcerias vez ou outra.
  3. Não faça spam! Eu já fiz, admito, mas parei. Nada de marcar amigos em postagens, a menos que seja do interesse deles. Não peça que compartilhe, que curta ou sei lá o que no Facebook. Nada de e-mails que vão só acumular na caixa de entrada. Apenas divulgue em seu espaço, quantas vezes quiser. Tuite, compartilhe, reposte, enfim, faça tudo apenas no seu perfil. É pouco, mas é questão de boa vizinhança.
  4. Você é escritor, mas não demonstra ser. Como as pessoas saberão que você tem uma história legal para ser lida/vendida se sua divulgação se limita às redes sociais? Portanto, amplie isso! Não precisa dizer toda hora que é escritor; apenas mostre que é. Deixe seu livro sobre a mesa na sala de aula, rabisque durante uma pausa no trabalho, leia um livro ou revista para algum projeto. Desperte o interesse de potenciais leitores.
  5. Meu primeiro livro foi escrito em 2007. Até hoje não consegui publicar. O que fiz? Investi num que me pareceu com maior potencial, que não teve tanta repercussão. Não desisti e agora estou prestes a publicar a segunda edição independente de um romance com mais de 400 páginas, com o apoio governamental e privado. E deixei engavetados umas 30 obras. Portanto, jamais desanime. Se tiver mais de uma história, cogite deixá-las em algum meio independente, seja blog, em e-book, etc.
  6. Faça seu nome! Você pode ter escrito sua melhor obra, mas sem leitores é algo morto. Invista em ser conhecido. Contos gratuitos, e-books em sites de venda, como a Amazon, antologias, qualquer meio de construir um curriculum é válido para alcançar mais leitores.
  7. Aceite ajuda. Ela virá de várias maneiras. Fique atento. Colha aquilo que engrandeça sua escrita e sua carreira, se é que pensa em ser escritor mesmo.
Bem, é mais ou menos isso que eu recomendaria. Claro que não funcionará para todos, mas comigo até que tem sido proveitoso. Enfim, espero ter ajudado de alguma forma.

0 comentários: